Agência Nacional de Mineração revela omissão da Vale em Brumadinho

Imagem do rompimento da barragem em Brumadinho (Foto: Divulgação Corpo de Bombeiros)

A Agência Nacional de Mineração (ANM) divulgou um documento em que mostra que a Vale teve problemas na barragem B1, em Brumadinho. O documento será enviado ao Ministério Público Federal e às polícias Federal e Civil de Minas Gerais.

O rompimento da barragem deixou 252 mortos e outros 18 ainda estão desaparecidos ou não identificados.

Segundo a agência, algumas informações fornecidas pela Vale não condizem com as que constam nos documentos internos da mineradora. Se a ANM tivesse sido informada corretamente, medidas cautelares e ações emergenciais poderiam ter sido implementadas pela empresa, o que poderia evitar o desastre.

“Quando são detectadas situações de comprometimento da segurança da barragem, imediatamente o empreendedor deve dar início às inspeções especiais para o monitoramento e controle das anomalias. De imediato, a ANM envia técnicos para o local onde podem ser feitos exigências, notificações e até interditar a estrutura a fim de aumentar o nível de segurança”, explica o diretor da ANM, Eduardo Leão.

O documento aponta que, no dia 06 de junho de 2018, a Vale fez uma inspeção de segurança e preencheu uma ficha com os resultados. A empresa fez duas versões com resultados diferentes.

Na versão entregue à ANM, a foto mostrava uma canaleta para escoar água da chuva obstruída. O conserto de canaletas faz parte dos procedimentos de rotina.

A foto que mostra sedimentos na saída de um dos drenos, o que pode indicar um problema grave na infraestrutura, não foi enviada, mas aparece nos registros internos da mineradora. 

Os técnicos também encontraram problema em dois piezômetros – instrumentos utilizados para saber qual a pressão e o nível de água de determinada região.

No dia 10 de janeiro, 15 dias antes do rompimento, os níveis de dois piezômetros subiram e entraram em nível de emergência. O aumento da pressão dos piezômetros compromete a estabilidade da barragem. A ANM não foi informada.

De acordo com a Agência, todas as irregularidades encontradas na barragem só foram reportadas à ANM no dia 15/02, ou seja, após o rompimento.

CPI de Brumadinho

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara dos Deputado que investiga a tragédia em Brumadinho (MG) aprovou o relatório final com unanimidade.

Os parlamentares pedem o indiciamento das empresas Vale, TÜV SÜD e de mais 22 pessoas pelo rompimento da barragem.

Em nota, a Vale afirma que “respeitosamente discorda da sugestão de indiciamento de funcionários e executivos da companhia” e que continuará a colaborar com as autoridades e órgãos que apuram o rompimento da barragem.

Em relação a análise da Agência Nacional de Mineração, a empresa afirmou que não recebeu ainda o parecer e preferiu não comentar sobre o assunto.

** Com informações da ANM