Greenpeace na cola do Governo e da Samarco

No site do Greenpeace, um aviso no Green Blog: a mais importante e influente entidade ambiental internacional está monitorando as ações do governo e das empresas envolvidas no desastre do rompimento das barragens em Mariana-MG. E estão abastecendo de informações o mundo inteiro. O Greenpeace tem sede em Amsterdã e escritórios em 40 países.

O Greenpeace denuncia:

“As autoridades, pelo seu lado, têm demonstrado uma subserviência inaceitável aos interesses corporativos. Houve quem no governo estadual chegasse a indicar que a empresa seria umas das vítimas desta tragédia, como se a Samarco não fosse diretamente responsável pelo que está acontecendo. Não existia ao menos uma sirena para avisar de eventuais emergências”.

A ONG alerta para a fiscalização das barragens no Estado. “Para completar este quadro de sobreposição de interesses entre governo e empresas, em 2015 o governo de Minas Gerais aprovou o Projeto de Lei 2946 para acelerar licenças ambientais no setor de mineração. O estado tem mais de 700 barragens de dejetos. Quantas mais terão de arrebentar deixando vítimas no seu caminho para as autoridades se darem conta de que são coniventes com este mar de lama?”

O Ministério Público Federal informou que em 2013 alertou para os riscos da barragem. Segundo o documento produzido pelo promotor de Justiça do Meio Ambiente, Carlos Eduardo Ferreira Pinto, “o contato entre a pilha de rejeitos e a barragem não é recomendado por causa do risco de desestabilização do maciço da pilha e da potencialização de processos erosivos”.

Participe

O Greenpeace abriu espaço para que seus apoiadores em Minas Gerais compartilhem histórias em forma de texto, vídeo e/ou fotos, de como estão sendo afetados pelo desastre e como estão atuando enfrentar este momento ou apoiar outras pessoas. Se você quiser compartilhar alguma história, também, envie para o email relacionamento@greenpeace.org