Rejeito não é tóxico – afirma Samarco

foto- G1

‘Esta é a pior crise da nossa história’, disse o diretor-presidente da Samarco, Ricardo Vescovi, se referindo à empresa Samarco.

Em entrevista coletiva, o diretor-presidente da Samarco disse que não há no distrito de Bento Rodrigues alerta sonoro para avisar a população no entorno das barragens. Segundo ele, o plano de emergência não prevê este equipamento.

‘Não avaliamos a extensão do prejuízo’, disse. Segundo o executivo, já existe a lista de desaparecidos, mas ela será divulgada posteriormente.

A empresa se comprometeu a arcar com as despesas dos desabrigados.

De acordo com Ricardo Vescovi, as barragens foram vistoriadas por autoridades ambientais em julho de 2015 e os laudos foram emitidos em setembro.

A barragem de Fundão estava com 55 milhões de metros cúbicos de água ao todo. A barragem é monitorada e o material é rejeito de minério não tóxico.

Até o momento, são 13 pessoas desaparecidas, 12 são funcionários terceirizados.