Retrospectiva: Desastre ambiental da Samarco completa seis meses

Mar em Regência, no Espírito Santo, é tomado por lama após o rompimento das barragens da mineradora Samarco, cujos donos são a Vale e a australiana BHP. (Foto: Fernando Madeira/ A Gazeta)

Retrospectiva relembra os principais fatos da tragédia

No dia 5 de novembro de 2015, o rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, da empresa mineradora Samarco, no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na região central de Minas Gerais, resultou no maior desastre ambiental do país e afetou milhões de habitantes. Ao todo, 19 mortes foram registradas.

O Organics News Brasil faz uma retrospectiva, mês a mês, do maior desastre ambiental do Brasil. Um acidente que podia ser evitado pelos órgãos fiscalizadores, pela empresa Samarco que deveria ter tomado todos os procedimentos de segurança para seus negócios, seus colaboradores e a população do entorno. Aliás, para toda população brasileira, em especial os das cidades do Vale do Rio Doce prejudicadas por uma absurda falta de plano de emergência.

Um decreto publicado nesta terça-feira (3), no Diário Oficial de Minas Gerais, instituiu que a formalização de novos licenciamentos ambientais para mineração fique suspensa até que o Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) defina critérios e procedimentos adicionais em empreendimentos minerários.

O ONB vai mostrar seis reportagens com o resumo do drama dos brasileiros afetados pelo rompimento da barragem de Fundão.

A Retrospectiva – Seis meses de lama e destruição é um trabalho da produtora Carolina Moreira e das jornalistas Luciana Almeida e Vera Moreira.