Bolsonaro nega que Amazônia sofre com queimadas e desmatamento

(Foto: Unsplash)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que as críticas recebidas por países sul-americanos sobre a preservação da Amazônia tem interesse econômico e é uma “mentira” dizer que a floresta “arde em fogo”, durante reunião na II Cúpula Presidencial pela Amazônia.

“O fato de que maior parte da floresta amazônica permanece intacta é a comprovação de que nossos Estados são perfeitamente capazes de cuidar desse patrimônio com atenção aos aspectos ambientais, sociais e econômicos” disse.

“Nós bem sabemos da importância dessa região para todos nós, bem como os interesses de muitos países outros nessa região. Também sabemos o quanto somos criticados de forma injusta por parte de outros países do mundo. Nós, com perseverança, com determinação e com verdade, devemos resistir”.

Ele afirmou que o seu governo tem “tolerância zero” contra crimes ambientais e que “combater ilícitos é essencial para a preservação da Amazônia, mas não é tudo. Temos que estimular também na região o desenvolvimento sustentável”.

Bolsonaro comemorou a redução de 28% do desmatamento na região em julho, em comemoração com o mesmo mês no ano passado. Entretanto no período de um ano, entre agosto de 2019 e julho de 2020, houve um aumento de 34%.

O presidente ainda adiantou que será lançado, em breve, o fundo para a bioeconomia e o desenvolvimento sustentável da Amazônia pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O mecanismo financeiro será voltado para os países da região e para os investidores dispostos a promover a bioeconomia com pleno respeito às nossas regras.