Até 2022, temperaturas elevadas e desastres naturais intensos, diz estudo

(Foto: Unsplash)

Se os últimos quatro anos foram os mais quentes da história, os próximos cinco serão mais intensos e com mais probabilidade de eventos extremos, como seca, inundações e furacões, aponta novo estudo publicado na revista Nature.

Segundo os pesquisadores, há 58% de chances de que a temperatura geral seja mais quente, entre 2018 e 2022. Para os oceanos, a temperatura pode aumentar em até 69%, o que pode causar “um aumento dramático de até 400% a probabilidade de um evento quente extremo”.

O estudo usa um novo cálculo, que leva em consideração a tendência do aquecimento global provocada pelo aumento da emissão de gases de efeito estufa e a variabilidade natural das temperaturas.

De acordo com a previsão científica, o aumento da temperatura será superior ao que o aquecimento global produziria por conta própria e deve ser registrado outro recorde de ano mais quente até 2022.

“Previsões precisas e confiáveis de temperaturas globais são fundamentais para determinar os impactos regionais da mudança climática, que aumentam a temperatura global, com extremos de precipitação, secas severas ou intensa atividade de furacões”, afirmam os autores.

Os efeitos do aquecimento global já são sentidos. Os anos entre 2015 e 2017 foram os mais quentes já registrados. 2018 também está se tornando um ano bem quente. Segundo a NASA, entre março a maio foi registrado um crescimento de 0,87ºC, acima da média do planeta entre 1951 e 1980. Mas ainda é cedo para determinar como o ano será classificado.

** Com informações do The Washington Post