Harvey continua castigando o Texas e inundações afetam 17 milhões na Índia

(Foto: Richard Carson/ Reuters)

A tempestade tropical Harvey continua causando danos no estado do Texas, nos Estados Unidos, que já deixou oito pessoas mortas.

De acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC, sigla em inglês), a tempestade ganhou força ao retornar para a área mais quente do Golfo do México e as fortes chuvas devem piorar as inundações na região de Houston e no sudoeste da Louisiana, estado vizinho do Texas.

A previsão é que a tempestade permaneça sobre a água durante 36 horas e volte para a área leste de Houston amanhã, seguindo para o sudeste da Louisiana, onde deve perder força. Antes de se dissipar, deve cair entre 250 a 500 milímetros de chuva no local até quinta-feira. Nas cidades de Galveston e Houston, as chuvas podem causas inundações de até 1,2 metro, alerta o NHC.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) classificou Harvey como “um cenário de pesadelo”. “Pesadelo é a palavra que nós usaríamos. A área afetada é gigante e para dar uma ideia do que ela representa, basta dizer que é praticamente do tamanho da Espanha”, disse em uma coletiva de imprensa a porta-voz da organização, Claire Nullis.

Os cientistas também alertaram para a gravidade da tempestade, que “parece se mover muito lentamente e não se afasta, como normalmente ocorre com as tempestades deste tipo (…). Simplesmente está ficando”, explicou Nullis.

O furacão Harvey chegou aos Estados Unidos na sexta-feira e se transformou em categoria 4 na escala Saffir-Simpson, sendo o mais forte a atingir o país em 12 anos e o Texas em 56 anos, causando inundações sem precedentes.

Segundo o prefeito de Houston, Sylvester Turner, mais de 3.500 pessoas foram regatadas até o momento. Em entrevista coletiva, o prefeito disse que estão pendentes, no mínimo, 150 pedidos de resgate urgentes e mais de 8 mil pessoas foram para abrigos temporários.

A Agência France-Presse (AFP) informou que um dique se rompeu em Columbia Lakes, no sul de Houston, e as autoridades deram ordem de evacuação do local. Outras barragens ainda correm o risco de transbordar.

Visita presidencial

O presidente americano Donald Trump chegou, acompanhado da primeira-dama Melania, por volta das 13h40, no horário de Brasília, à cidade de Corpus Christi, a primeira a ser atingida pelo furacão.

Autoridades locais informaram Trump sobre os trabalhos de apoio à população, durante uma reunião com líderes locais e organizações que ajudam no resgate. O presidente agradeceu o trabalho e a dedicação desempenhados na região. “Nós estamos muito orgulhosos de vocês. Muito obrigado por tudo o que estão fazendo”, disse.

Para não afetar as atividades de assistência, Trump e Melania não visitarão Houston. O casal seguirá para Austin, cidade onde o governador do Texas, Greg Abbott, coordena as ações de resposta ao furacão.

Esta é a primeira vez que Turmp enfrenta um desastre natural como presidente. Durante o fim de semana, o americano afirmou que não quer cometer os mesmos erros do presidente George W. Bush na passagem do furacão Katrina por Nova Orleans, no estado da Louisiana, em 2005.

Na época, Bush não interrompeu as suas férias no Texas para auxiliar as vítimas do desastre. Em contrapartida, assim que o Furacão Harvey tocou em solo americano, Trump autorizou o envio de equipes de assistência federal para ajudar na reconstrução das cidades.

Índia

As inundações, que atingiram o norte da Índia, causaram mais de 650 mortes e deixou 20 milhões de pessoas desabrigadas desde o início do mês, segundo autoridades locais.

De acordo com o Departamento de Gestão de Desastres da Índia, o estado de Bihar é o mais afetado, com 17 milhões de moradores de 29 cidades atingidos e 514 mortes nos últimos dias. Quase 855 mil pessoas foram evacuadas.

Na capital, Mumbai, as inundações paralisaram o transporte de três linhas de metrô, que transportam mais de sete milhões de passageiros todos os dias, e a chuva fechou os aeroportos. Três pessoas morreram após um deslizamento de terra.

Segundo as autoridades locais, a maré alta está impedindo que a inundação chegue ao Mar da Arábia. A previsão dos meteorologistas é de que ocorram chuvas mais fortes nas próximas 24 horas.

Na semana passada, o Primeiro-Ministro indiano Narendra Modi sobrevoou algumas das áreas atingidas pelas inundações e anunciou um pacote de US$78 milhões para ajudar as regiões atingidas. O período de chuva vai até setembro

** Com informações do G1, da DW, da EFE, e da Agência Brasil