O Brasil não deve nada na luta contra o clima, diz ministro

(Foto: Reprodução/ Facebook)

Em entrevista à Bloomberg News, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o Brasil não deve nada na luta contra a mudança climática global e deve ser pago pelo seu trabalho até agora.

“O Brasil não é um devedor. Somos credores. Nossa parte precisa ser remunerada e, com relação ao que fizemos até agora, a questão é quanto, quando e como?”, disse Salles referindo-se à matriz energética relativamente limpa do país, a redução dos esforços de desmatamento e reflorestamento nos últimos anos.

Atualmente, o Fundo Amazônia, de US$ 722 milhões, que apoia projetos de preservação e combate ao desmatamento, é financiado, principalmente, pela Noruega e Alemanha.

Em resposta às alegações de que os agricultores estão desmatando ilegalmente a Amazônia, Salles disse que até dois terços ocorrem em reservas indígenas ou áreas de conservação, ambas administradas pelo governo.

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, o desmatamento em terras indígenas e áreas de conservação em 2018 correspondiam a 15% do total.

Em relação ao Acordo de Paris, o ministro disse que não é “nem bom, nem ruim” e afirmou que deve trazer benefícios econômicos ao Brasil. Mas se o acordo limitar a produção ou o uso da terra, o país deve sair do tratado climático.

Salles ainda afirmou que o conflito entre produtores e ambientalistas tem sido artificialmente exagerado e que é possível conciliar o desenvolvimento econômico com a preservação dos recursos naturais.

“Quando você tem mais desenvolvimento econômico, você atrai mais recursos. Quando a riqueza circula no país, você tem mais dinheiro para cuidar do meio ambiente”, disse ele.

** Com informações da Bloomberg