Onda de frio causa cerca de 40 mortes na Europa

(Foto: Patrick Hertzog/ AFP)

Desde o último fim de semana, as baixas temperaturas e tempestades de neve, que atingiram a Europa, causaram pelo menos 38 mortes, sendo a maioria na Polônia, região que chegou a marcar -30ºC em alguns lugares.

A onda de frio procedente da Escandinava provocou vários acidentes de trânsito. Na França, por exemplo, quatro cidadãos portugueses morreram e outros 20 ficaram feridos num acidente de ônibus no domingo.

O rio Danúbio também estava congelando em Budapeste, algo raro nos últimos anos. Na República Checa e na Polônia, a poluição do ar, principalmente de partículas de poeira, forçou reduções de produção de grandes fábricas. Para ajudar a melhorar a qualidade do ar, autoridades zeraram a tarifa do transporte público em Varsóvia e Cracóvia.

A organização Médicos Sem Fronteiras disse estar “muito preocupada com as milhares de pessoas vulneráveis pelo continente em perigo e presas em condições indignas”.

Segundo a instituição, há uma preocupação particular com “as duas mil pessoas que vivem em assentamentos informais em Belgrado (capital da Sérvia), onde as temperaturas estão alcançando -20 graus”.

A cidade possui dezenas de imigrantes do Afeganistão, do Paquistão, do Iraque e da Síria, bloqueados pelo fechamento da rota dos Bálcãs, que se refugiaram em um armazém abandonado perto da estação ferroviária, devido as temperaturas.

“É muito difícil, especialmente à noite”, afirma Niamat Khan, um adolescente afegão de 13 anos. “Espero há três meses e não sei quando vou poder continuar a minha viagem”, acrescentou.

Estes imigrantes se recusam a ir para os centros oficiais por medo de serem enviados de volta aos países por onde entraram na Sérvia (Bulgária ou Macedônia). “Ninguém nos ajuda, faz muito frio e eu me pergunto como vamos suportar esta situação”, acrescentou Ismail Khikimi, outro afegão de 16 anos.

De acordo com as previsões meteorológicas, as temperaturas serão mais amenas nos próximos dias, mas devem ficar permanecer abaixo de zero.

** Com informações da Reuters e da France Press