Permafrost deve se descongelar nos próximos dois séculos

(Foto: Pixabay)

A camada de solo permanentemente congelada, a Permafrost, na Sibéria e no Alasca começará a derreter nos próximos dois séculos, revela novo estudo da NASA.

De acordo com a pesquisa, o descongelamento contínuo dessas camadas resultará em uma emissão recorde de gases de efeito estufa, que pode ser 10 vezes superior as emissões de combustíveis fósseis em 2016.

Em relação ao permafrost mais próximo do sul, os pesquisadores descobriram que a camada não se descongelará até o fim do próximo século.

“O permafrost no sul do Alasca e no sul da Sibéria já está descongelando, pois obviamente é mais vulnerável. Parte do permafrost mais frio e estável nas latitudes mais altas do Alasca e Sibéria parecia estar protegida contra mudanças climáticas extremas e não esperávamos muito impacto nos próximos duzentos anos”, explica Nicholas Parazoo, cientista do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

** Com informações do Sputnik Brasil