Previsão catastrófica de 5% na temperatura

(Foto: Pixabay)

As populações vulneráveis a extremos climáticos e com a segurança alimentar, a água potável e a qualidade do ar comprometidas vão sobrecarregar os sistemas de saúde pelo mundo, alertam cientistas e profissionais de saúde em relatório publicado na revista The Lancet.

Segundo o estudo, o aquecimento global criará novos padrões de doenças, deixará populações vulneráveis e as suas implicações, como ondas de calor, enchentes e furacões, serão a maior ameaça à saúde no século 21.

Estima-se que 157 milhões de pessoas entraram em situação vulnerável a ondas de calor entre 2000 e 2017. De 2030 a 2050, as mudanças climáticas irão causar 250 mil mortes adicionais por ano, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Uma das formas para conter o avanço é reduzir as emissões de gases de efeito, que bateu recorde no ano passado. Se a tendência se manter, as temperaturas globais devem aumentar entre 3ºC e 5ºC até 2100, prevê outro estudo publicado, nesta quinta-feira (29), pela Organização Meteorológica da ONU.

Para os cientistas, é vital limitar o aumento das temperaturas em até 2ºC para evitar condições climáticas mais extremas, conforme previsto pelo Acordo de Paris. Ainda assim, o crescimento da temperatura global poderá aumentar o número de pessoas que passam fome e o nível do mar.

** Com informações da Deutsche Welle, Reuters e France Presse