Desmatamento cresceu 13,7% na Amazônia no último ano

(Foto: Reprodução/ Greenpeace)

Entre agosto de 2017 e julho de 2018, foram desmatados 7.900 km² na Amazônia, o equivalente a 1,185 bilhão de árvores derrubadas. O índice é um crescimento de 13,7% em relação ao mesmo período anterior.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (23) pelos ministérios do Meio Ambiente e Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e foram obtidos pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélites (PRODES) do Inpe, que registra apenas quando há a remoção completa da cobertura florestal por corte raso.

O Pará é o estado que mais desmatou, com 2.840 km², seguido pelo Mato Grosso (1.749 km²), Rondônia (1.314 km²)  e Amazonas, com 1.045 km². Já o Acre foi o estado onde mais cresceu o desmatamento: 82,9%.

“Os números da destruição, que já eram altos e inaceitáveis, ficaram ainda piores. Grande parte das respostas para esse aumento estão em Brasília. É do centro do poder que parte o estímulo constante ao crime ambiental nos rincões da Amazônia”, afirma Marcio Astrini, coordenador de políticas públicas do Greenpeace Brasil.

Em nota, o ministro do meio ambiente, Edson Duarte, disse que o crescimento do “crime organizado que atua no desmatamento ilegal da Amazônia (…) está associado a outras práticas criminosas, como tráfico de armas e animais, trabalho escravo, evasão de divisas e lavagem de dinheiro”.

** Com informações do Greenpeace e do G1