Queimadas na Amazônia aumentaram 20% em junho

toras de madeira, árvores desmatadas, desmatamento
(Foto: Pixabay)

O Programa Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectou 2.248 focos ativos de incêndio na Amazônia em junho de 2020, um aumento de 19,6% em relação ao mesmo mês do ano passado.

De acordo com dados do Inpe, este é o maior número observado em 13 anos. A média histórica é de 2.724 focos ativos de queimadas no bioma. No mês passado, o índice ficou 17% abaixo da média dos últimos 21 anos, mas o número não passava dos 2 mil desde 2007, quando houve 3.519 pontos de incêndio na floresta.

No primeiro semestre deste ano, foram 10.395 focos em todo o país, contra 8.821 no ano passado, um aumento de 17,8%.

Os dados de alertas de desmatamento do Inpe foram reunidos até o dia 18 de junho pelo sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter). Na primeira quinzena do mês, o sistema emitiu alertas para 610 km², 65% dos alertas registrados no ano passado. Os índices de junho superaram os meses de junho de 2018 e de 2017.

Para os pesquisadores do Inpe, a tendência é que a taxa de desmatamento se manterá em alta na atual temporada, que se encerra no próximo mês. Já que o período anterior teve recorde com 10 mil km² de desmatamento.