As três bacias hidrográficas mais ricas em biodiversidade no planeta estão ameaçadas por usinas hidrelétricas

(Foto: Reprodução)
A análise de um grupo de cientistas de países como Brasil, EUA, Alemanha, Canadá e Camboja foi publicada na revista científica “Science”. Segundo eles, um terço dos peixes de água doce do mundo vive nas bacias hidrográficas da Amazônia, do Congo (África) e de Mekong (no sudeste asiático). Esses animais convivem com a construção de usinas, de represas e de barragens para a produção de energia elétrica.

O problema é que boa parte desses peixes migra conforme a vazante dos rios. Com as barragens, eles podem ficar pelo caminho. Pelo menos 450 barragens ainda devem ser construídas nas usinas dessas três bacias, aponta o estudo. Só o rio Mekong, por exemplo, já tem 370 barragens e deve ganhar mais cem delas nos próximos anos.

No Brasil, a usina Belo Monte, erguida em Altamira, no Pará, poderá produzir energia para 18 milhões de pessoas. De acordo com a “Science”, Belo Monte pode estabelecer um recorde mundial de perda de biodiversidade.

De acordo com os cientistas, faltam protocolos para orientar a construção de hidrelétricas em regiões tropicais ricas em biodiversidade.

Com informações da Folha de São Paulo