Brasil ganha prêmios no Dia Mundial de Combate à Seca e à Desertificação

Hoje – 17 de junho – é o Dia Mundial de Combate à Seca e à Desertificação.

Todos os países, de todos os continentes, estabelecem estratégias para recuperar os solos e as bacias para preservar seu potencial de água potável.

A chamada crise hídrica é global, mas é preciso que mais que economizar água, os governos priorizem a educação contra o desperdício e planos de recuperação do ecossistema produtor de água.

O Brasil tem contribuído para a discussão mundial do tema e em estratégias de contigência, como o Centro de Referência para Recuperação de Áreas Degradadas (Crad) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) que conquistou dois prêmios no Programa Dryland Champions 2015, promovido pela Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (United Nations Convention to Combat Desertification – UNCCD). O Crad recebeu um prêmio institucional pelo conjunto de suas ações em prol da recuperação e preservação da Caatinga e outro pelo projeto “Manejo de Caprinos, Ovinos e Emas na Recuperação de Áreas Degradadas”.
A cerimônia de entrega dos certificados do programa foi na cidade de Caicó, no Rio Grande do Norte. O diretor do Crad e professor do Colegiado de Ciências Biológicas da Univasf, José Alves de Siqueira Filho, explica que o Crad desenvolve várias ações voltadas à recuperação de áreas degradadas da Caatinga, como produção e plantio de mudas nativas do bioma; mantém coleções de plantas e de madeira, promove pesquisas e elabora publicações. Também conta com o Herbário Vale do São Francisco (HVASF), que é indexado aos dados do Global Biodiversity Information Facility.

Dia_Mundial_de_Luta_Contra_a_Seca