Sem abelhas, a humanidade vai trocar o mel pelo fel

(Foto: Reprodução)

A previsão é catastrófica Sem abelhas, a humanidade pode ir às favas, no pior sentido. É o que publicaram pesquisadores em novo estudo.

O fim das abelhas silvestres, mariposas e muitas outras espécies polinizadoras das plantas abrem caminho para a extinção, informa a rede CBC News, citando um relatório científico elaborado pela ONU.

Os autores do estudo afirmam que cerca de 20.000 espécies de polinizadores desempenham um papel chave no abastecimento de frutas, verduras, café e cacau para a humanidade. A maior preocupação dos cientistas é a situação dos invertebrados como as mariposas e as abelhas. “Estamos em um período de declínio, e as consequências só vão piorar“, afirma o diretor do Centro de Pesquisa Agroambiental da Universidade de Reading (Reino Unido), Simon Potts.

Entre os fatores negativos que afeta sua sobrevivência, os cientistas mencionam a redução das áreas dos prados naturais de flores silvestres, o uso de pesticidas na agricultura, a perda de habitats dos animais devido o crescimento urbano e as doenças, parasitas e patógenos.

Os autores do estudo advertem que, se a humanidade não quer morrer antes de 2050, a conservação das populações de polinizadores deve ser um dos principais objetivos de sua agenda.

Mortalidade massiva de abelhas pelo mundo

Além disso, recentes pesquisas concluem que a propagação de uma doença que está dizimando a população mundial destes insetos se deve às mãos do homem.

Um estudo dirigido pela Universidade de Exeter (Reino Unido) e pela Universidade de Berkeley (Estados Unidos) revela que a abelha europeia “Apis mellifera” é a principal responsável pela presença do denominado vírus das asas deformadas aos milhões das colmeias do mundo.

Os autores do estudo, que se concentraram na sequência molecular do vírus e dos ácaros em 32 locais de 17 países, indicam que é necessário limitar de forma “estrita o movimento das abelhas – embora não saiba se elas estão infectadas pelo ácaro – e que os apicultores tomem medidas para controlar a existência deste parasita em suas colmeias, uma vez que eles podem afetar os polinizadores selvagens

A ideia chave de nosso trabalho é que a pandemia mundial de vírus nas abelhas não é natural, mas sim provocada pelo homem. Por isso, controlá-la está em nossas mãos”, diz o professor Mike Boots, ligado às universidades de Exeter e Berkeley.

Leia mais em Notícias Naturais