Emissão de gases poluentes bateu recorde em 2018, diz estudo

emissão de gases de efeito estufa, carbono
(Foto: Pixabay)

A emissão de gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono e metano,  bateu um novo recorde em 2018 e, combinados com outros gases já têm um efeito de aquecimento 43% maior do que em 1990.

A conclusão foi apresentada no novo relatório “Estado do Clima”, divulgado no Boletim da Sociedade Americana de Meteorologia, elaborado pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês) e outras agências ambientais.

De acordo com o relatório, 2018 é o quarto ano mais quente desde o fim do século 19, atrás de 2015, 2016 e 2017. Desde 2012, a temperatura média ficou em torno de 0,5°C acima da Normal Climatológica, o equivalente à média de 1981 a 2010

No Brasil, a temperatura foi 1º Celsius mais alta no sudeste do que a média nacional no ano passado. Em abril e maio, a Região Sul registrou temperaturas entre 2ºC e 4ºC acima da média. 

A Região Nordeste teve chuva menor do que o normal, assim como o sudoeste da Amazônia e algumas regiões costeiras do Peru.

O relatório também revelou que o nível dos oceanos subiu pelo sétimo ano consecutivo, com 81 milímetros acima do nível médio de 1993 e a maior média global anual nos últimos 26 anos.

Nos países próximos da Linha do Equador, o número de tempestades tropicais foi de 95, acima da média registrada entre 1981 e 2010, de 82 tempestades anuais.

A intensidade das tempestades também foi mais alta, como o furacão Michael, de outubro de 2018, o quarto mais forte a atingir o continente norte-americano em 168 anos.

** Com informações do G1