Alemanha registra recorde de uso de energia renovável

(Foto: Unsplash)

Pela primeira vez, mais de 40% da energia gerada na Alemanha veio de fontes renováveis em 2018, mas a participação dessas fontes na matriz energética ainda está em torno de 38%, segundo o Instituto Fraunhofer para Sistemas de Energia Solar (ISE).

O uso de fontes limpas foi impulsionado pelo aumento da produção eólica e a redução de 7% na produção de energia a partir de fontes fósseis em relação a 2017.

O gás natural foi a energia fóssil que a produção mais diminuiu, com 18,5%, seguido pelo carvão natural (7%).

No passado, as emissões de CO2 foram não ultrapassaram 50 milhões de toneladas. No entanto, elas se mantiveram 32% abaixo dos níveis de 1990, enquanto a meta prometida pelo governo alemão é reduzir em 40% até 2020.

“À primeira vista, o recuo das emissões pode parecer tornar mais palpável a meta de proteção climática para 2020, porém basta o próximo inverno medianamente frio e pequenas mudanças para anular novamente a tendência positiva. Por isso são necessárias medidas sustentáveis de proteção climática. Senão será impossível alcançar as metas climáticas para 2020 e 2030”, alerta Patrick Graichen, do think tank  Agora Energiewende.

** Com informações da DW