GOVERNO DE SP FORMA GRUPO PARA DIAGNOSTICAR BARRAGENS COMO AS DE MARIANA

Barragem de Cajati /SP foto - Taipanews

Será que São Paulo corre risco trágico de Mariana? De acordo com o governo, é bom ficar de olhos bem abertos. São Paulo é o terceiro maior produtor de bens minerais do País, atrás de Minas Gerais e Pará. O Estado possui mais de 2.800 minas em operação, com 95% da produção concentrada em areia, brita, calcário e argila.

A maioria das barragens está localizada no município de Cajati, no litoral sul paulista, com volume de 5,9 milhões de metros cúbicos, 75 metros de altura e guarda rejeitos da exploração da turfa, um tipo de carvão mineral usado para conter derramamentos de petróleo e na agricultura.

Segundo reportagem do Uol, a Secretaria de Energia e Mineração do Estado de São Paulo criou um grupo de trabalho para diagnosticar a situação das 21 barragens de rejeitos do Estado. O grupo é formado  por representantes do Departamento Nacional da Produção Mineral (DNPM), do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O secretário de Energia e Mineração do Estado, João Carlos Meirelles, afirmou que o trabalho já vinha sendo planejado desde o começo do ano, mas ganhou notoriedade após o rompimento de uma barragem da mineradora Samarco, em Mariana (MG), que deixou ao menos onze mortos.