Mais de 130 praias nordestinas estão contaminadas com manchas de óleo

(Foto: Adema)

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) informou que 132 praias de 61 municípios nordestinos foram atingidas por manchas de óleo. Os primeiros resíduos foram encontrados no início de setembro nas cidades de Ipojuca e Olinda, em Pernambuco. 

Os nove estados da região foram afetados, a Bahia foi o último a ser atingido pelo óleo. No final de semana, Sergipe decretou estado de emergência por causa dos danos ambientais e recomendou a população a não usar as praias ou retirar as substâncias. 

Segundo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, mais de 100 toneladas de borra de petróleo já foram recolhidas nas praias nordestinas.

O presidente Jair Bolsonaro pediu urgência na identificação dos responsáveis e das causas pelas manchas de óleo no litoral, em um despacho publicado no Diário Oficial da União.

De acordo com o texto, as investigações serão conduzidas pela Polícia Federal, Ministério da Defesa, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Questionado por jornalistas sobre o assunto, Bolsonaro afirmou que volume do óleo não é constante e que, por isso, acredita que o despejo é criminoso. “É um volume que não está sendo constante. Se fosse de um navio que estivesse afundando, por exemplo, estaria saindo ainda óleo. Parece que criminosamente algo foi despejado lá”, disse.

Uma investigação preliminar do Ibama aponta que a limpeza nos tanques de combustível de navios petroleiros são responsáveis pela contaminação. A Petrobras negou que o material seja produzido no Brasil. 

** Com informações do G1