Manchas de óleo vieram do Mar da África, aponta Inpe

(Foto: Clemente Coelho Júnior/ Divulgação)

Análises do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) constataram que as manchas de óleo, que atingem o litoral brasileiro, teriam se deslocado da região sul do mar da África.

O estudo indica de que o derramamento ocorreu em abril e chegou à costa brasileira no fim de agosto, sem ser detectada através de imagens de satélite.

Segundo o pesquisador do Inpe que atua no Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), Ronald Buss de Souza, foram usados modelos estatísticos que levam em consideração situações tecnicamente reconhecidas sobre as correntes marítimas, vento e ondas.

O pesquisador acha que ainda é possível a existência de petróleo preso a sedimentos no fundo do oceano.

A hipótese contradiz completamente a investigação feita pela Marinha. Em novembro, a Polícia Federal apontou o navio grego Boubolina como suspeito pelo derramamento de óleo. A empresa responsável pela embarcação no Brasil, a Delta Tankers, negou que o navio está envolvido. 

A Marinha tem reafirmado que o óleo é uma mistura de petróleo com origem venezuelana. Entretanto, o comandante de Operações Navais da Marinha, Leonardo Puntel, afirmou que não há provas que identifiquem o responsável pelo vazamento.  

Desde o dia 30 de agosto, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) registrou a presença de fragmentos de óleo em 942 pontos do litoral de 129 municípios do Nordeste, Espírito Santo e Rio de Janeiro. 

** Com informações do Estadão