Yorkshire: Dá pra encarar?

(Foto: Reprodução/ Blupet)

Antes de qualquer decisão, a pessoa interessada em adquirir um yorkshire terrier, tem que ter a consciência de que não estará apenas adquirindo um belo cão: é necessário entender temperamento, comportamento e características da raça para poder tomar uma decisão correta e saber se é, realmente, esta raça que seja compatível com o seu perfil e cotidiano.

O criador tem a obrigação de passar todas as informações cabíveis e também moderar se realmente essa pessoa interessada tem a necessidade de ter um cão com trejeitos dos yorkshires ou não.

Ele é um cão amoroso, delicado e cuidadoso com seus donos. Aliás, ele não determina uma pessoa da família como dona, mas, sim, a todos de seu convívio.

Porém a palavra “dono” é meio complexa numa relação entre yorkshire e humano. Devido ao seu instinto aguçado de liderança, se não está brigando por sua posição de líder numa matilha, com certeza estará usando seus trejeitos para liderar seus donos. Nesse caso, se os proprietários não observarem continuamente as tentativas incessantes de seu yorkinho para conseguir a liderança, por muitas vezes será entendido como “dono” da família,a mascote.

Por essas e outras, é importante colocar a palavra dono entre aspas, pois essa palavra nessa situação será bem relativa mesmo.

Quando se diz que os yorkshires estão na escala de 27º de inteligência canina, não se deixe levar e achar que seu pequenininho sofre de falta de entendimento.Por mais que seja verdadeira essa informação, os yorkshires conseguem manipular seus “donos” pela noção sensitiva deles. Isso sim é bem aguçado nesses mocinhos!

Há relatos de que a raça yorkshire é a única com trejeitos humanos… calma! Não imagine que em qualquer dia vocês verão seus pequenininhos lendo um jornal e comentando sobre o mundo das celebridades pets. Essa informação se refere à sintonia perfeita que esses pequenos, de longas madeixas, tem com seus “donos”.

É comum ouvir relatos de cães que castigam seus donos com coco e xixi, mas os yorks vão além disso: ao conviverem com você, eles vão percebendo seus pontos fracos e, quando menos imaginamos, eles fazem das suas, desde acabar com sua gaveta preferida de meias, até ir até sua bolsa e querer estraçalhar seu celular (se você é aficionado em falar ao telefone sempre que está perto dele).

Tudo isso porque, um dia, você o levou para aquele tenebroso lugar onde há aquele tenebroso grandalhão que lhe aplicou aquela tenebrosa injeção…

Fonte: Leila Mazza