Pacto lança desafio para restaurar Mata Atlântica até 2025

(Foto: Reprodução/ SOS Mata Atlântica)

O Pacto pela Restauração da Mata Atlântica anunciou um desafio para recuperar mais de 1 milhão de hectares de nata nativa na Mata Atlântica até 2025, área equivalente a quase duas vezes a do Distrito Federal.

Lançado em 2009, o movimento é composto por ONGs, institutos de pesquisa, empresas, órgãos públicos e proprietários de terra, sendo o maior esforço coletivo para restauração de um bioma na América Latina. O objetivo é restaurar 15 milhões de hectares de mata nativa até 2050, recuperando áreas identificadas como degradadas ou com baixa aptidão para agropecuária.

O Pacta já recuperou 2 milhões de hectares de cobertura florestal no bioma e estima que existem cerca de 740 mil hectares de mata em diferentes estágios de recuperação em toda a Mata Atlântica. O movimento espera alcançar 1 milhão de hectares em 2020.

Segundo o pesquisador e associado do Instituto Internacional para Sustentabilidade (IIS), membro do Pacto, Renato Crouzeilles, a expectativa é atingir mais de 1 milhão de 2025 e ajudar o Brasil a combater o aquecimento global, a recuperar a biodiversidade e as paisagens florestais.

Para acompanhar o andamento das atividades de restauração, o Pacto lançou um sistema de monitoramento online, construído em parceria com o MapBiomas. A ferramenta permite a visualização dos locais de projetos e áreas em processo de recuperação na Mata Atlântica, dos viveiros e remanescentes florestais existentes. Atualmente, o mapa aponta 37 mil hectares de projetos em processo de restauração cadastrados e validados.

Segundo a Fundação SOS Mata Atlântica, também membro do Pacto, o bioma abrange cerca de 15% do território nacional, em 17 estados, sendo lar de 72% dos brasileiros e concentrando 70% do PIB nacional. Restam apenas 12,4% da floresta da qual dependem serviços essenciais, como abastecimento de água, regulação do clima, agricultura, pesca, energia elétrica e turismo.