Países do G7 se comprometem a diminuir emissão de gases-estufa

Os países que compõem o G7 comunicaram investimento de US$ 100 bilhões até 2020 as contribuições ao Fundo Verde do Clima, um instrumento aprovado em 2009 para ajudar financeiramente os países em vias de desenvolvimento mais afetados pelos efeitos do aquecimento global para ações contra as conseqüências das mudanças climáticas e fizeram um “claro reconhecimento” sobre o objetivo da comunidade internacional de não superar o limite de aquecimento que os cientistas consideraram como o teto aceitável sem graves conseqüências (que é diminuir a temperatura em 2 graus centígrados).

 

Isto significa que os membros do G7 ( Estados Unidos, Reino Unido, Japão, Alemanha, França, Itália e Canadá), que estão entre as nações mais poluentes, deverão reduzir sensivelmente nas próximas décadas suas emissões dos gases.

 

“Nos comprometemos a fazer nossa parte em atingir uma economia global de baixo carbono em longo prazo, incluindo o desenvolvimento e uso de tecnologias inovadoras, e vamos nos empenhar em uma reestruturação do setor energético até 2050″, esclarece o Comunicado do G7.

 

Além disso, a chanceler explicou que os membros do G7 querem “regras vinculantes” para o acordo contra a mudança climática que deve ser fechado na Cúpula do Clima de Paris, a COP 21.

 

A redução de gases-estufa será entre 40% a 70% até 2050.