Pesquisas sobre o solo pode ajudar a criar um futuro mais sustentável

solo, planta, agroecologia
(Foto: Freepik)

A atividade e as interações dos organismos do solo estão intimamente ligadas a múltiplos processos nos quais os ecossistemas e a sociedade dependem, o que pode estimular várias metas globais de sustentabilidade a serem aprimoradas. A conclusão é de um estudo da Universidade Estadual do Colorado, nos Estados Unidos.

Elizabeth Bach, autora principal do estudo, afirma que há uma crescente conscientização em todo o mundo sobre a biodiversidade do solo. “O que pode nos levar para o próximo nível e fazer parte da solução, enquanto trabalhamos para alcançar metas amplas de sustentabilidade”.

Diana Wall, professora ilustre da Universidade e co-autora do estudo, disse que essa é uma mudança bem-vinda e atrasada.

No nível federal dos Estados Unidos, os legisladores abordaram os impactos na saúde do solo na Farm Bill de 2018. Mais recentemente, foi introduzida a Lei de Resiliência da Agricultura em fevereiro de 2020, que inclui explorar novas maneiras recompensar os agricultores, como o uso de futuros mercados de carbono ou incentivos fiscais para o sequestro de carbono no solo. E na União Europeia, a criação do Green Deal, que detalha os planos de conservação do solo, ar e água.

As pesquisadoras afirmam que a biodiversidade do solo também desempenha um papel importante na regulação do clima e na ciclagem de nutrientes, o que ajuda a cultivar colheitas e gado saudáveis. Patógenos de pragas e predadores no solo ajudam a controlar surtos de doenças que podem deixar as pessoas doentes e também impactar as plantações e o gado.

Para os pesquisadores, a biodiversidade do solo deve ser incorporada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas e à próxima geração de Metas de Biodiversidade de Aichi, estabelecidas em 2010 e que serão renovadas este ano.

“A biodiversidade do solo foi além dos círculos acadêmicos. Ele precisa ser incluído em todas as conversas sobre perda de biodiversidade. Não podemos mais falar sobre isso desde o início”, conclui Wall.