Precisamos discutir a PNRS e os lixões. Urgente!

O Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana (Selur), em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza (Abrelpe), representante no Brasil da International Solid Waste Association (ISWA), lançaram um estudo internacional inédito sobre o impacto do descarte inadequado do lixo para o meio ambiente e para a saúde das cidades e das pessoas no Brasil, perspectivas futuras e estratégias para substituição do sistema atual.

Você já leu um resumo desses resultados aqui no Organics News Brasil.

O levantamento aponta que aproximadamente 75 milhões de brasileiros são afetados pela má destinação de resíduos sólidos, que geram custos para o sistema de saúde pública do país de US$ 370 milhões ao ano, destinados ao tratamento de doenças decorrentes do descarte inadequado do lixo.

É importante que a discussão sobre um plano estratégico para a substituição dos lixões brasileiros seja levado mais a sério pelos municípios, porque além dos ganhos ambientais, há os ganhos econômicos, sociais e de saúde pública.

Segundo o documento, no contexto ambiental a mudança na forma de descarte de resíduos sólidos proporcionará ao país a redução da contaminação da água, solo, flora, fauna e de emissão de CO² na atmosfera, além da economia de US$ 280 milhões a 540 milhões por ano.

O organizador do estudo Antonis Mavropoulos, Presidente do Comitê Técnico e Científico da ISWA, é preciso investir em campanhas de conscientização sobre o descarte de lixo, investimento do poder público em soluções ambientais para os resíduos e uma visão de longo prazo para recuperar a poluição do solo, água e ar.

Esse problema é urgente e o Brasil continua prorrogando o prazo para eliminar os lixões e praticar a Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS).