Proteção à Amazônia marca primeiro fim de semana do Rock in Rio

(Foto: Eduardo Hollanda/ Estácio/ Rock in Rio)

Da celebração a diversidade aos protestos, o Rock in Rio (RiR) sempre foi palco de manifestações políticas e de promoção de debates sobre questões relevantes. Nesta edição, os escândalos de corrupção, protestos contra o presidente Michel Temer e a ameaça a Amazônia foram os temas centrais paralelos ao universo do rock.

A classe artística deixou claro que não é necessário resistir aos danos causados na Amazônia e promoveram iniciativas para proteger o meio ambiente, como na abertura do evento, na sexta-feira (15), com Gisele Bündchen lançando Believe, uma campanha que visa alertar e conscientizar a população mundial sobre a necessidade de salvar o planeta.

Emocionada durante o seu discurso, Gisele ressaltou a importância de unir as pessoas em busca de soluções para os grandes problemas da humanidade, principalmente para combater as mudanças climáticas.

Ao final do discurso, a cantora Ivete Sangalo subiu ao palco e juntas cantaram a música Imagine do cantor John Lennon. A cantora baiana é embaixadora do Amazônia Live, projeto socioambiental do Rock in Rio para a preservação da Amazônia.

“Quero convidar a todos para darem as mãos e nos unirmos em uma corrente de amor. Vamos enviar essa corrente positiva para o mundo”, disse Gisele.

Durante o seu show, Ivete ressaltou seu apoio as causas ambientais e sociais, levantando algumas bandeiras, como a da Fundação SOS Mata Atlântica e combate ao racismo.

(Foto: Fernando Schlaepfer/ I Hate Flash)

No sábado (16), o cantor e ator Evandro Mesquita, da banda Blitz, colocou um cocar e alertou: “A Amazônia está seriamente ameaçada por políticos corruptos, mineradores, pecuaristas, por cobiça. O governo Temer quer salvar seu pescoço sucateando a Amazônia. Demarcações já!”, protestou.

No palco mundo, o Skank também mostrou a sua indignação com a classe política. Durante o show, Samuel Rosa ressaltou a importância do Amazônia Live e pediu para o público se engajar na proteção da floresta.

A intenção do festival é recuperar, em seis anos, quase 30 mil hectares de floresta, o equivalente a 73 milhões de árvores, por meio do projeto em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Fundo Global do Meio Ambiente (GEF), o Banco Mundial e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio),

Com muita simpatia e talento, a cantora americana Alicia Keys levou ao palco do Rock in Rio, neste domingo (17), discursos motivacionais, de empoderamento feminino e de cunho político.

No meio do show, a cantora anunciou a música “Kill Your Mama” (Mate a sua mãe, em tradução livre), sobre “como estamos destruindo a nossa mãe, a nossa mãe Terra”. Na canção, Alicia canta “Que vergonha para nós, em seus filhos e suas filhas, cavando todo o seu ouro e nós envenenando todas as suas águas. Cada pedaço de nossa alma está à venda”.

Em seguida, a artista convidou a líder indígena Sonia Guajajara para fazer um discurso sobre a exploração de minérios na Renca e as ameaças que os povos indígenas sofrem todos os dias.

(Foto: Eduardo Hollanda/ Estácio/ Rock in Rio)

“Existe uma guerra contra a Amazônia. O governo quer colocar à venda uma área grande de reserva mineral. Senadores, vocês têm a chance de evitar isso na votação que vai haver. E nós estaremos de olho. Estaremos de olho porque não existe plano B. Essa é a mãe de todas as lutas. A luta pela mãe terra”, explicou a líder indígena.