Recuperação verde pós-COVID será decisiva para o clima

(Foto: Pixabay)

A inclusão de medidas contra a mudança climática em planos de recuperação econômica pós-pandemia pode evitar mais da metade do aquecimento global esperado até 2050, revelou estudo produzido pelo consórcio Constrain, liderado pela Universidade de Leeds, no Reino Unido.

Os pesquisadores constataram que houve uma redução global de 10 a 30% nas emissões de diferentes poluentes entre fevereiro e junho de 2020, período em que monitoraram 10 diferentes gases de efeito estufa em 123 países.

De acordo com a pesquisa, é preciso aproveitar a redução temporária de emissões devido às medidas de contenção do novo coronavírus, criar pacotes econômicos que incluam medidas climáticas e alcançar as metas do Acordo de Paris.

Se outras mudanças estruturais não forem feitas, a temperatura global seria apenas cerca de 0,01°C mais baixa do que o esperado até 2030 e haveria pouco impacto neste século.

“As escolhas feitas agora poderiam nos dar uma forte chance de evitar 0,3˚C de aquecimento adicional até meados do século, reduzindo pela metade o aquecimento esperado sob as atuais políticas”, afirma Piers Forster, principal autor do estudo e diretor do Priestley International Centre for Climate, em Leeds. “Isto pode significar a diferença entre sucesso e fracasso quando se trata de evitar mudanças climáticas perigosas”.