Ricardo Salles vai para o Ministério do Meio Ambiente

(Foto: Pedro Calado/ Secretaria do Meio Ambiente)

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou, em sua conta no Twitter, Ricardo de Aquino Salles como ministro do Meio Ambiente.

Advogado, Salles criou o Movimento Endireita Brasil, é ex-diretor da Sociedade Rural Brasileira e foi secretário estadual do Meio Ambiente de São Paulo no governo Alckmin.

O novo ministro é réu em uma ação de improbidade administrativa movida por quatro promotores do Ministério Público de São Paulo, por fraudar o processo do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê em 2016.

A denúncia diz que “também foram modificados mapas elaborados pela Universidade de São Paulo a pedido da Fundação Florestal , a própria minuta de decreto do Plano de Manejo da mesma APA” e  “alguns funcionários da Fundação Florestal teriam sido pressionados a elaborar mapas que não correspondiam à discussão promovida pelo órgão competente”.

Em entrevista à Rádio CBN, o futuro ministro afirmou que não tem dados para avaliar o desmatamento no Brasil, já que a informação existente é desqualificada e não há como saber onde ocorrem os desmatamento ou se eles são legais ou não. Salles também defendeu a aprovação do Pacote do Veneno para agilizar o processo de aprovação.