RJ pode economizar R$ 156 mi em tratamento de água com restauração de floresta

(Foto: Pixabay)

Estudo realizado pelo WRI Brasil indica que plantar florestas próximas a ETA Guandu, a maior estação de tratamento de água do mundo e sediada no Rio de Janeiro, pode resultar numa economia de R$ 156 milhões em 30 anos.

A estação faz o tratamento da água que abastece 92% da população da região metropolitana do Rio.

De acordo com o relatório, se produtores rurais, empresas, o estado e a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) incentivarem a preservação das áreas naturais remanescentes e o plantio de 3 mil hectares de florestas em áreas altamente degradadas, o que representa 1,4% da bacia, a quantidade de terra, sujeira e sedimentos que chega nos rios reduziria em 33%.

Com menor quantidade de sedimentos, a ETA Guandu deixaria de usar 4 milhões de toneladas de produtos químicos e 260 mil MWh em energia, gerando o retorno do investimento de 13%, compatível com os resultados financeiros de obras no setor.

O estudo foi produzido pelo WRI Brasil, Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e The NatureConservancy (TNC), e contou com apoio de Fundação FEMSA, União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), Instituto BioAtlântica (IBio) e Natural Capital Coalition.