Incêndios na Austrália – mortes, destruição e prejuízos

(Foto: Departamento de Defesa da Austrália)

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, informou que o número de mortos nos incêndios aumentou para 27 e 2.131 casas foram destruídas.

O premier estima que a situação pode piorar com novas avaliações nas áreas mais afetadas, principalmente, no estado de Vitória.

Para combater os incêndios, o governo solicitou o envolvimento das Forças de Defesa, dos serviços de emergência e dos governos locais, estaduais e federal. Cerca de 1.600 reservistas trabalham na operação e 42 áreas receberão apoio financeiro direto do governo de, no mínimo, US$ 1 milhão, a partir desta sexta-feira (10).

“Estamos muito longe do fim desta crise e deste desastre. Temos equipes trabalhando para restabelecer a energia elétrica em milhares de casas e estabelecimentos comerciais. Há ainda muitos locais sem serviço. Estamos ainda dando apoio emergencial nas áreas mais afetadas, procurando melhorar a infraestrutura”, disse Morrison.

A Austrália conta ainda com o apoio de efetivos dos Estados Unidos, da Nova Zelândia e da Canadá e de vários países da “família do Pacífico”.

O governo estuda medidas adicionais para setores como turismo, agricultura e pequenas e médias empresas. “O apoio será aumentado de acordo com as necessidades. Queremos ouvir os responsáveis locais para saber como podemos ajudar”, diz o primeiro-ministro.

Protesto

Milhares de manifestantes foram as ruas de Sidney para pedir a saída do primeiro-ministro. Ele é criticado pela falta de ação e de compromisso contra à mudança climática.

“Esperamos que o Governo decida gerir os fogos florestais de uma maneira diferente, porque estes estão a mudar. Espero que seja um alerta para que eles mudem a política climática, admitam a verdade de que estamos numa emergência climática e tentem reduzir as emissões a zero, rapidamente”, disse um dos manifestantes.

** Com informações da Agência Brasil e da Euronews