Voluntários se unem as autoridades no Nordeste e Mourão se pronuncia

(Foto: Instituto do Meio Ambiente/ Divulgação)

Desde sexta-feira (18), imagens de voluntários limpando os resíduos de óleo nas praias do Nordeste e pedindo ajuda têm crescido nas redes sociais, devido a falta de profissionais suficientes.

Questionado sobre a atuação do governo, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que, no momento, “o máximo” que o governo pode fazer “é ter gente capacitada” para recolher os resíduos, já que não se consegue identificar as causas do vazamento de óleo.

De acordo com Mourão, todas as medidas previstas no Plano Nacional de Contingência foram colocadas em ação. Ele ressaltou que não saber a origem é um desafio para conter o avanço dos resíduos e prever quanto ainda chegará às praias.

No município de Cabo Santo Agostinho, na Grande Recife (PE), as substâncias voltaram a chegar a praia após um grupo ter limpado o local neste domingo (20).  Em apenas quatro dias (de 17 a 20 de outubro), o estado pernambucano recolheu 71 toneladas do material. Entre os municípios atingidos estão:São José da Coroa Grande, Barreiros, Tamandaré, Rio Formoso, Sirinhaém, Ipojuca e Cabo de Santo Agostinho.

Nesta manhã, voluntários encontraram sacos de plástico na região. No rótulo, há indicações de que eles continham luvas fabricadas na Malásia. 

Na Bahia, um mutirão organizado por surfistas retirou, em dois dias, cerca de 3 mil litros de óleo dos manguezais do Rio Pojuca. 

Desde o dia 2 de setembro, foram recolhidas mais de 600 toneladas de resíduos das praias do litoral nordestino, ao longo dos 2.250 quilômetros afetados pelo óleo, segundo o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA). 

Pará 

As manchas de óleo podem ter chegado ao litoral do Pará. A Prefeitura de Abaetuba, no nordeste do estado, encontrou substâncias na praia de Baja, balneário da região. O material foi recolhido e encaminhado para análises em laboratório.

** Com informações do G1