Exercer a cidadania foi o recado de Obama no discurso de despedida  

Foto- Casa Branca

 

Obama está 8 anos mais velho… cabelos ralos e brancos. Na despedida à nação americana, fez um discurso emocionado, começou lembrando do serviço religioso, enalteceu a igualdade de direitos, recordou os imigrantes e refugiados que ajudaram a desenvolver a nação americana e reverenciou os soldados que deram a vida na Segunda Guerra e nas guerras do Iraque.

Vitórias internacionais

Ovacionado quando mencionou a retomada da economia na pós-recessão, o desarmamento nuclear com o Irã e até a eliminação de Osama Bin Laden. São legados imensuráveis à política americana.

Democracia fortalecida

Ressaltou a transferência pacífica de um presidente eleito para outro presidente eleito, “isso é democracia e depende de nós assegurar que os governos ajudem a formar a nação e nossas necessidades. O futuro tem que ser nosso. O estado de nossa democracia, dos fundadores até hoje, requer senso básico de solidariedade. Estamos nesse barco juntos”, enfatizou Obama numa alusão à divisão que Donald Trump tem defendido.

Legado econômico

A economia crescendo, pobreza diminuindo, aposentadorias e seguros saúde em dia (reafirmando o programa ObamaCare) fez do discurso de Obama um legado socioeconômico importante, mas ele ressaltou a necessidade de reformas na educação para adequar às demandas de empregos e salários com a automação.

Direitos e Racismo

Obama não abandonou o discurso racial, com destaque para as lutas ricos X pobres, brancos e negros, imigrantes e refugiados, transgêneros ou não. “Temos que prestar atenção e ouvir. Os efeitos da escravatura não acabaram nos anos 60. Às manifestações atuais não são racismo reverso, mas a exigência de direitos iguais. Os refugiados de hoje sofrem o que irlandeses e italianos sofreram quando vieram para os Estados Unidos. Todos temos que fazer melhor.”

Liberdade de informação

Obama falou da segmentação de informação, afunilada pela mídia digital e redes sociais, meios que dividiram os americanos. “Você pode ver e ler só com o que você concorda. É preciso ouvir, estar abertos a novas opiniões, ao contraditório. Ser plural.” É bom lembrar que a polarização da mídia e informações falsas dividiram os americanos.

Combate à mudança climática

Enfrentar o problema da mudança climática, permitiu dobrar a energia renovável,diminuiu dependência do petróleo e traçaram uma proposta para enfrentar o problema com metas ambiciosas.

Terrorismo

Abordou o terrorismo, o medo da mudança, o desrespeito pela ordem do direito e o  pensamento livre. Dessa forma abordou o Estado Islâmico é a necessidade de combater o terrorismo. Ressaltou o direito é respeito ao americano islâmico “tão patriota como nós”.

Michelle – forte, intelectual e contemporânea

MIchelle Obama foi ovacionada quando mencionada pelo marido presidente, que declarou ser ela sua melhor amiga. Foi o momento fofo do discurso. E ele chorou! Às filhas reconheceu as qualidades de bondade e inteligência. Ao vice presidente declarou que ganhou um irmão. À equipe agradeceu a dedicação e aos eleitores disse que eles mudaram o mundo e a América.

Legado e esperança no futuro

Impecável de terno cinza chumbo, camisa imaculadamente branca e gravata azul, Obama encerrou seu discurso de 53 minutos, com um apelo à união do povo americano, pedindo a participação da sociedade pela responsabilidade da cidadania e transparência, com diálogo político para melhorar a nação.

“Acreditem na sua capacidade de fazer mudança”. Sim, nós podemos. Que Deus continue abençoando os Estados Unidos”

Goodbye

Obama é sua família se despediram com sorriso no rosto, emoção nos olhos é alegria no coração. Por mais de meia hora, Obama deu beijos, tirou selfies, pegou bebê no colo, conversou com negros, brancos, islâmicos e orientais que assistiram o evento.

Michelle tirou muitas fotos, foi abraçada, beijada e conversou com muitos jovens.

De mãos dadas, o  casal 20 da política americana saiu do palco emocionado pelo carinho e com 60% de aprovação dos americanos.