Erosão reduz produtividade da superfície terrestre global em 23%

solo, planta, agroecologia
(Foto: Freepik)

Locais com terra fértil em condições de plantio devem se tornar mais escassos, concluiu novo relatório da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços de Ecossistema (IPBES), da Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo o estudo, a erosão provocada pelo manejo incorreto do solo foi responsável por uma perda de 23% na produtividade da superfície terrestre em todo o mundo e de 10% do produto interno bruto global anual pela degradação.

Atualmente, cerca de 33% do solo e 75% da água doce do planeta são destinados à produção agrícola ou à pecuária. A tendência é de que essa área seja ainda maior nos próximos anos, considerando o aumento da produção de alimentos em 300% desde 1970.

Para reduzir a erosão e assegurar o fornecimento de comida para os próximos anos, o relatório aponta como principal solução as estratégias de manejo sustentável da terra, como plantio direto, o manejo integrado de pragas e a calagem (aplicação de calcário nno solo)

O estudo da ONU também aponta que, em média, os benefícios financeiros da conservação do solo são 10 vezes superiores aos custos para a restauração da área.

“Os ganhos em curto prazo decorrentes do manejo insustentável da terra muitas vezes se transformam em perdas a longo prazo, fazendo com que o manejo para evitar a degradação do solo seja uma estratégia benéfica e econômica”, relata o gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, André Ferretti.