Expansão de orgânicos dependerá de vontade coletiva da União Europeia

(Foto: Pixabay)

Funcionários do alto escalão da Comissão Europeia afirmam que para expandir a produção de orgânicos para 25% até 2030, como previsto pela estratégia Farm To Fork, exigirá um esforço e uma vontade coletiva.

Para o diretor-geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural da Comissão Europeia, Wolfgang Burtscher, a estratégia de cultivar a biodiversidade é uma oportunidade para se recuperar da crise atual.

“Certamente será desafiador atingir a meta de 25% em uma década. E temos que levar em conta as diferentes situações e pontos de partida nos estados e regiões membros. Ele também disse que seria importante encontrar maneiras de “preencher a lacuna nos países com baixa participação de orgânicos, aproximando-os da média da UE”, disse durante o Congresso Orgânico Europeu.

Walter Dübner, Chefe da Divisão de Produção Agrícola e Horticultura, Ministério Alemão de Alimentos e Agricultura,

afirma que a medida deve promover “o desenvolvimento das regiões rurais, a capacidade competitiva do setor e o efeito sobre a renda que os pagamentos diretos têm”, além de fortalecer a proteção ambiental e a mitigação das mudanças climáticas.

Dübner disse que a agricultura orgânica tem “um grande potencial para enfrentar os desafios urgentes da agricultura em relação à política ambiental e de recursos”.

Para a presidente da Bioland/IFOAM UE, Jan Plagge, os países europeus devem criar metas nacionais para estimular a adesão a agricultura orgânica e os planos estratégicos devem contar uma estrutura clara para o produtor.