Países lusófonos e FAO criam centro de agricultura agroecológica

(Foto: Freepik)

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) anunciaram a criação de um centro de treinamento para promover a agricultura familiar e sustentável.

Com sede em São Tomé e Príncipe, o local vai estimular a troca de conhecimento entre técnicos, professores e produtores para impulsionar a participação de pequenos produtores na formulação de leis sobre agroecologia e agricultura familiar.

O centro também vai incentivar a capacitação de produtores em tecnologia de processamento e armazenamento de alimentos.

“Não vamos mudar os sistemas alimentares (somente) com tecnologia, mas, em vez disso, precisamos fazer mudanças nas leis e na pesquisa”, afirmou o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

O brasileiro ressaltou que é preciso conscientizar a sociedade sobre um modelo mais sustentável e responsável de produção e consumo, combater a fome e a obesidade crescente.

A FAO e os países lusófonos consideram que o bem-estar dos pequenos produtores e dos agricultores familiares é fundamental para a coesão social, o desenvolvimento rural e a preservação dos ecossistemas.

** Com informações da ONU