Variedade de cana-de-açúcar produz biopesticida natural contra praga

(Foto: Saulo Coelho/ Divulgação Embrapa)

Um estudo desenvolvido pela Embrapa revelou que uma variedade de cana-de-açúcar do complexo Saccharum é capaz de combater o ataque da broca-da-cana-de-açúcar (Diatrea saccharalis), principal praga da cultura no Brasil.

De acordo com o estudo, a variedade produz ácido clorogênico, uma substância que tem feito nocivo, quando atacada pela praga. Quando está no mesmo ambiente sem ataque, a planta não apresenta expressões elevadas do ácido.

A substância também combate pragas de diversas culturas, como milho, café e tomate, afetando seu desenvolvimento e neutralizando seus impactos econômicos nas lavouras.

Quando o ácido clorogênico é adicionado na dieta da broca em sua fase de lagarta, a praga se desenvolve mais rápido na fase de pupa. Porém, com deformação das asas na fase de mariposa, quando exposta a todas as concentrações do ácido.

A lagarta jovem sabre galerias de baixo para cima, que podem ser longitudinais, na maioria das vezes, ou transversais. Entre os prejuízos diretos causados pela abertura de galerias estão a perda de peso e morte das gemas, o tombamento pelo vento, enraizamento aéreo e brotações laterais.

A expectativa dos pesquisadores é que a descoberta sirva de base em programas de melhoramento genético da espécie e gere novas variedades com resistência a pragas importantes.

“A partir desses achados, devemos realizar experimentos com outras variedades do banco, tanto as domesticadas quanto as silvestres, para verificar o comportamento de produção de ácido clorogênico e, possivelmente, ampliar o leque de cruzamentos viáveis”, disse a pesquisadora Adriane Amaral, curadora do Banco Ativo de Germoplasma da Embrapa.