Consumidores pretendem pagar até 35% a mais por produtos sustentáveis

(Foto: Freepik)

Os consumidores estão priorizando empresas sustentáveis, transparentes e alinhadas com seus valores ao tomar decisões de compra. Além de estarem dispostos a pagar mais e até mudar seus hábitos de consumo.

A conclusão é de uma pesquisa realizada pela IBM, em parceria com a National Retail Federation (NRF), sobre as tendências globais de consumo. Foram entrevistados cerca de 19 mil consumidores de 28 países, incluindo o Brasil, com idades entre 18 e 73 anos.

O levantamento constatou que os valores corporativos superaram os custos e a conveniência dos produtos. Um terço de todos os consumidores pretende deixar de comprar seus produtos preferidos se perderem a confiança na empresa e um terço já parou de comprar de suas marcas favoritas em 2019.

Em média, 70% dos consumidores que valorizam os produtos alinhados com seus valores pessoais pretendem pagar um valor adicional de 35% do custo inicial para compras sustentáveis, como produtos reciclados ou ecológicos. Destes, 57% estão dispostos a mudar seus hábitos de compra para reduzir o impacto ambiental negativo.

Para 79% dos entrevistados, é muito importante que as marcas forneçam autenticidade garantida, como certificações, ao comprar produtos. Dentro deste grupo, 71% estão dispostos a pagar um valor adicional, 37% a mais em média, para empresas que ofereçam total transparência ao produto.

A pesquisa também revelou que sete em cada 10 pessoas compram, agora, em “micro-momentos”, ou seja, quando e onde for mais conveniente ou ao mesmo tempo que realizam as suas tarefas diárias. As compras por impulso também passaram a ser uma “norma” atual, principalmente, com o uso de dispositivos móveis.

Varejo

Segundo a IBM, os varejistas precisarão fazer mudanças para atender as novas demandas do consumidor, já que custo e conveniência não são mais a principal força motriz.

Para recuperar a participação de mercado, a empresa recomenda que a adoção de três métodos:

– Ganhar a confiança dos consumidores por meio da transparência e rastreabilidade: as empresas precisam ir além da oferta de serviços convenientes ou mais rápidos. As marcas precisam se diferenciar, oferecendo acesso a informações detalhadas, como a forma como seus produtos são fabricados, a qualidade dos ingredientes, se eles são sustentáveis ​​ou de origem ética.

– Avaliar a sustentabilidade por meio do impacto econômico: a redução do impacto ambiental agora vai além da embalagem reciclável ou da pegada de carbono. As marcas que atuam com um propósito também devem ajudar a construir uma economia circular e sustentável para as gerações futuras. A sustentabilidade deve ser integrada

– Agregar mais flexibilidade e não mais produtos: os varejistas precisam inovar na loja física para fornecer uma experiência consistente da marca em todos os canais.