Holanda apresenta inovações sustentáveis para enfrentar os desafios da mineração

(Foto: Consulado da Holanda)

A partir do conhecimento adquirido na construção do sistema hídrico e de pesquisas sobre recursos hídricos, empresas holandesas desenvolveram técnicas e equipamentos para aperfeiçoar e tornar mais sustentável as atividades de mineração.

Para encontrar e desenvolver soluções para a realidade brasileira, representante do consulado da Holanda recebeu a imprensa nessa quarta (23) para apresentar seus cases e tecnologias que serão apresentadas na 17ª edição da Exposição Internacional de Mineração (Exposibram) e no Congresso Brasileiro de Mineração, que acontecerá em setembro em Belo Horizonte (MG).

Durante o evento, as empresas holandesas – Alia Instruments, Damen, Deltares, Hencon, IHC Mining, RHDHV e Tema BV – apresentarão as principais tecnologias em quatro categorias: gerenciamento de barragens, monitoramento e eficiência de recursos hídricos, água potável, e tratamento de rejeitos líquidos.

“O que nós queremos é destacar a Holanda com a sua expertise nessa interface de água e mineração. Desejamos construir uma relação e investir nesse setor com a nossa presença e informação”, explicou Remon Daniel Boef, Representante Chefe do escritório holandês de apoio aos negócios no Brasil (NBSO, sigla em inglês).

A mineração apenas é possível com o amplo uso de água em toda a sua cadeia de produção. Para Boef, a gestão de água é o aspecto mais importante no gerenciamento de uma barragem de minério e para prevenir que novos desastres, como o que aconteceu em Mariana (MG), ocorram novamente. Neste sentido, o investimento em informação, tecnologias e na gestão correta das barragens por mineradoras e governos, em escala local e federal, é essencial.

Entre as ferramentas utilizadas para gerenciar o uso da água na mineração está o deságue, processo que retira a água e deixa apenas os rejeitos dentro da barragem. “Se desaguar as bacias de rejeito, o risco [de um rompimento] é muito menor. Então uma das soluções é desaguar”, explicou Boet.

Para realizar o processo de forma segura, as empresas holandesas Hencon e Damen desenvolveram equipamentos pioneiros no setor. Líder do mercado de veículos para a indústria siderúrgica, a Hencon produz um equipamento que pode ser colocado por cima da bacia de rejeitos e suga a água por tubulação para fora. Enquanto a máquina da Damen, retira a água diretamente do fundo da bacia.

Desta forma, a água pode ser tratada e reaproveitada nas atividades minerárias, reduzindo a quantidade de recursos hídricos limpos utilizados no processo. Outros aspectos importantes no gerenciamento de barragens, segundo o representante, são: monitoramento, legislação – não apenas a efetiva, mas também a implementação – e controle.

Ao longo dos anos, as empresas têm evoluído em termos de sustentabilidade para enfrentar os desafios do setor e a prevenção de desastres, como o rompimento da barragem de Fundão em Mariana (MG), que deixou 19 pessoas mortas e um rastro de destruição ambiental na Bacia do Rio Doce, em novembro de 2015.

Para Daniel é possível integrar a sustentabilidade cada vez mais no processo de mineração, desde que todos os agentes envolvidos estejam integrados por uma mesma causa.

“É importante integrar todos os aspectos: meio ambiente, sociedade e a indústria. Temos que fazer uma abordagem integrada, senão você vai ter resistência, danos e impacto negativo. Então é preciso um cálculo de quais são os efeitos da mineração, em que prazo e como pode mitigar esses efeitos. Se você já sabe o que vai acontecer de forma negativa, é possível antecipar a solução. Por isso, é muito importante incluir todos os atores envolvidos”, ressalta o especialista.

Liderada pelo enviado especial especialista em recursos naturais, Prof. Dr. Dirk-Jan Koch, a missão empresarial, como foi chamada a vinda das empresas e especialistas holandeses ao país, deseja fechar acordos de cooperação com o Brasil.

O objetivo é desenvolver soluções integradas e sustentáveis para auxiliar nos desafios enfrentados pela mineração nacional nas áreas de: recuperação de áreas devastadas, prevenção de acidentes, uso eficiente da água, monitoramento de barragens, dragagem e drenagem, tratamento de água e resíduos, e equipamento para mineração e logísticas.

“O nosso foco está na sustentabilidade. É uma palavra-chave que incorporamos na nossa missão. Nós procuramos oferecer ferramentas e como criar soluções sustentáveis, para criar uma mineração sustentável. Os desafios [da mineração] estão relacionados à sociedade e ao meio ambiente, como o uso e a disponibilidade de água. Então se quisermos continuar com as atividades minerárias, precisamos de um plano sustentável que englobe todos esses aspectos”, complementa Boef.

Entre as negociações previstas para ocorrer na Exposibram está a apresentação de um plano técnico das soluções que podem ser oferecidas pelas empresas holandesas a Fundação Renova, uma instituição independente criada para reparar os danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão.

“É um processo de entender localmente como aconteceu [o rompimento] e como seguir em frente. Estamos felizes que podemos participar em como evitar desastres iguais, como solucionar e pensar no futuro”, disse o holandês.

A Exposição Internacional de Mineração e o Congresso Brasileiro de Mineração acontecerão entre os dias 18 e 21 de setembro de 2017, das 13h às 21h, no Expominas (Centro de Feiras e Exposições George Norman Kutova) – Av. Amazonas, 6030, Gameleira, Belo Horizonte, Minas Gerais.