Empresas têm desafio em fidelizar consumidores, diz pesquisa

(Foto: Thalles Galvão)

** Autor Thalles Galvão

Cerca de 85% dos brasileiros que consomem orgânicos não conseguiram lembrar do nome de nenhuma empresa do setor durante pesquisa realizada pelo Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis) em parceria com o Instituto de pesquisa e opinião publica Market Analysis durante a Bio Brazil Fair / Natural Tech 2017.

Não há uma marca forte que represente o mercado de orgânicos para os consumidores. A prevalência do consumo de verduras, legumes e frutas (predilecao de 6 em cada 10 consumidores)- produtos estes pouco ou nada embalados -pode favorecer a falta de um nome de referência nesse mercado

“Isso mostra que as empresas estão ainda fora da fidelização com o consumidor. Estamos em uma feira em que o número de expositores cresceu 40% e que todos têm marca. É uma grande oportunidade para eles trabalharem essa fidelização”, ressalta Ming Liu, diretor executivo da Organis.

Selos de certificação

Outro dado revelado na pesquisa é que 95% dos entrevistados afirmou que o selo de certificação “Produto orgânico do Brasil” influencia diretamente na decisão da compra de um produto. O selo obtém grande confiança dentre os consumidores: 86% declararam que o selo é mais confiável que outras fontes de informação sobre produtos orgânicos.

Consumo de orgânicos

Aproximadamente 64% dos entrevistados no levantamento disseram que consomem orgânicos porque eles fazem bem à saúde; metade da população possui pelo menos algum interesse em passar a consumir orgânicos.

Outras vantagens apontadas pelos consumidores são a contribuição ao meio ambiente e as melhores características dos produtos se comparados aos convencionais. Existe também uma curiosidade (9%) em conhecer mais sobre esses produtos e o estilo de vida envolvido que motiva a busca pelos orgânicos.

Foram realizadas 905 entrevistas, com adultos entre 18 e 69 anos, residentes em nove capitais. A margem de erro da pesquisa é de 3,3% para mais ou para menos.