Startup oferece soluções ao produtor de algodão

(Foto: Pixabay)

Nos últimos anos, o Brasil tem se mantido entre os cinco maiores produtores mundiais de algodão, ao lado de países como China, Índia, EUA e Paquistão. Apenas na Bahia, a produção pode chegar a 2,8 milhões de toneladas de algodão em pluma nesta safra, um crescimento de 31% em relação à safra 2017/2018, segundo dados da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa).

A engenheira agrônoma Regina Hakvoort viu na falta de tecnologias para combater pragas de difícil controle, como bicudo, mosca-branca, ácaros e pulgões, na produção de algodão uma oportunidade de negócio e fundou a startup Anáhata.

A empresa pretende “viabilizar um conhecimento específico dentre a complexidade que envolve a produção de alimentos, auxiliando diretamente o produtor a aumentar a rentabilidade financeira, técnica e ambiental de sua produção”, explica Hakvoort.

Hoje, a Anáhata presta serviço de pulverização de pragas e ações interativas em princípio ativo (biológico ou químico), tecnologia de aplicação, equipamento de aplicação e condições climáticas ideais.

Com o uso da tecnologia, o produtor tem um controle eficiente das pragas, o que resulta na redução de custos, na aplicação de produtos químicos e pode aumentar a produção em até 100% da área.

Os interessados em conhecer o trabalho da Anáhata pode entrar em contato pelo telefone (14) 99735-1161

 

** A Anáhata participará do espaço de inovação Thinking Green, durante a Bio Brazil Fair | Biofach América Latina. Para participar, acesse: https://biobrazilfair.com.br