Sebrae lança projeto de incentivo a bioeconomia na Amazônia

(Foto: Gustavo Moritta)

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) apresentou, durante a Conferência Ethos 360º, o programa de bioeconomia para a Amazônia.

Com início em fevereiro de 2020, a iniciativa pretende unir startups e empresas sustentáveis para estimular o desenvolvimento de inovações alinhadas à conservação do meio ambiente.

O projeto quer desenvolver a capacidade criativa e de execução dos empresários para conservar a Amazônia.

Para Danniel Pinheiro, CEO da Biozer Amazônia, empresa especializada em cosmética natural e vegana, ter ingredientes da floresta agrega valor ao produto e para a comunidade.

“Nosso papel como marca é mostrar para os pares a importância de a floresta ficar de pé, pois é de onde obtemos insumos. Mostrar que a floresta tem suas características e particularidades é fundamental, pois quando um produto ou matéria prima não está disponível, não é uma falha, mas sim uma questão sazonal: ele não está em sua época. Isso tem de ser mostrado, pois agrega valor”, explica.

A CEO da marca Ekilibre Amazônia, Maria José de Freitas, ressaltou que o trabalho de empresas na região incentiva as comunidades locais a aproveitar os ingredientes naturais que tem à mão.

A empresária e o sócio, Kairós Kanavarro, participaram do Empretec, programa com o apoio do Sebrae, que promove pequenas e médias empresas a se tornarem sustentáveis. Hoje, a marca também tem um e-commerce e armazena estoque em São Paulo para otimizar a logística dos produtos.

A expectativa do Sebrae, segundo o gerente de inovação do Sebrae, Paulo Renato Cabral, é expandir o projeto de incentivo a bioeconomia para outros biomas brasileiros e torná-lo um exemplo para outros países.