Pesquisa revela que brasileiro está mais consciente e busca alimentação saudável

(Da esq. para dir).: Christine Pereira, Daniela Toledo, Rodrigo Mariano, Pedro Celso Gonçalves, João Sanzovo Neto, Dinis Dias, Marcia Sola e Marco Aurélio Lima (Foto: Luciana Almeida)

O brasileiro está mais consciente sobre os seus hábitos de consumo e em busca de qualidade de vida. É o que revela a nova pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (APAS), divulgada nesta terça-feira (02) durante a APAS Show 2017.

Realizado em parceria com as empresas Nielsen, Kantar Worldpanel, GfK e IBOPE, o estudo mostrou que os alimentos ricos em vitaminas, minerais, fibras, ômega 3 e proteínas são incluídos ativamente na dieta dos brasileiros, considerados os consumidores mais saudáveis no mundo.

De acordo com a pesquisa, 65% dos entrevistados consomem ativamente produtos saudáveis. Enquanto a média global é de 51%. Os produtos ricos em fibras, por exemplo, estão presentes em 61% dos carrinhos de compra no país, contra 53% no mundo.

Outros itens como alimentos ricos em proteína  (54%), orgânicos (49%) e livre de transgênicos  (28%), em comparação com a média global também reforçam o posicionamento brasileiro.

“O brasileiro está se preocupando cada vez mais com saúde e consumindo alimentos naturais. As categorias que mais cresceram foram de bebidas e alimentos saudáveis”, disse Marco Aurélio Lima, diretor da GfK.

As mulheres ainda têm uma postura mais consciente na busca por ingredientes e produtos mais saudáveis. Porém, o número de homens mudando os seus hábitos de consumo aumentou, passando de 63% em 2014 para 68%, em 2016.

A tendência é que a terceira idade exerça uma forte influência no mercado. “Considerando que essas pessoas envelhecerão, até 2040, homens e mulheres com mais de 50 anos terão o maior poder de compra”, afirma Rodrigo Mariano, gerente de Economia e Pesquisa da APAS.

Com o aumento da demanda por produtos orgânicos, naturais e saudáveis, os supermercados estão se adaptando para atender o público.

“Nós, supermercadistas, temos que vender aquilo que o consumidor está disposto a comprar. E eu estou muito satisfeito que os brasileiros são uns dos consumidores que mais buscam alimentos saudáveis, estão comendo menos [alimentos com] sal e consumindo menos refrigerante”, afirmou o presidente.

Mudança no comportamento 

Com a crise econômica, os consumidores optaram por priorizar gastos básicos, como alimentação, higiene pessoal, limpeza e aluguel. Deixando de lado gastos com prestação de imóvel e educação, por exemplo.

Segundo a diretora da Nielsen, Daniela Toledo, o consumidor cortou, aproximadamente, 16% dos gastos, mas tentou manter o seu padrão de consumo, buscando o melhor custo-benefício, uso de embalagens maiores e, principalmente, promoções.

“O consumidor tem buscado equilibrar o seu consumo e os seus gastos. Isso mostra que ele está crescendo e amadurecendo. Mesmo com a retomada da economia, o consumidor não vai ser mais o mesmo de antes da crise. Ele não vai consumir da mesma maneira. Ele aprendeu.”, disse Toledo.

Mercado

Mesmo com a instabilidade econômica, o setor supermercadista faturou R$338 bilhões em 2016, representando um aumento nominal de 7,1% em comparação a 2015.

Apesar da perspectiva de crescimento lenta e gradual da economia brasileira, os supermercadistas projetam que, com a criação de emprego e renda nos próximos meses, os preços devem diminuir, alavancando o consumo.

A expectativa é que o mercado cresça de 15% a 20%, em relação ao mesmo período do ano passado, no último trimestre de 2017. A projeção também mostra números que continuam crescendo para 2018.

Ouça abaixo a entrevista com o presidente da APAS, Pedro Celso Gonçalves:

A APAS Show 2017 acontece até o dia 05 de maio, no Expo Center Norte – Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, São Paulo.