Qualidade do ar melhorou nas últimas duas décadas em São Paulo

emissão de gases de efeito estufa, carbono
(Foto: Pixabay)

A qualidade do ar no Estado de São Paulo melhorou nos últimos 20 anos, afirmou o Diretor de Engenharia e Qualidade Ambiental da Cetesb, Eduardo Luís Serpa, durante o 2º Encontro de Empreendedores da Eletromobilidade (EEE) no Salão Latino Americano de Veículos Híbridos-Elétricos, nesta quinta-feira (21).

Segundo dados da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), as emissões de enxofre e carbono apresentaram uma melhora gradativa nas últimas três décadas.

O principal motivo foi a implantação de programas governamentais para conter as emissões de gases poluentes, como por exemplo, a introdução de injeção eletrônica e catalizadores em carros no final da década de 1990.

Dados da CETESB revelaram que as taxas de carbono e enxofre atingiram as metas determinadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Entretanto as partículas finas MP10, MP 2,5 ainda estão longe dos limites determinados.

Os veículos de passeio são as principais fontes de emissão de gases poluentes, seguidos pelos caminhões e ônibus. Para reduzir as emissões veiculares são recomendadas, por exemplo, a inspeção ambiental de veículos, a expansão do programa para a melhoria da manutenção de veículos a diesel, a fiscalização de fumaça preta dos veículos a diesel e o aperfeiçoamento do proconvte.

“Há de fato uma redução nas emissões, mas nós precisamos de várias outras formas de agir para que ter uma redução maior de poluentes”, disse Serpa.

Em panorama hipotético, se fossem adicionados 5% da frota de carros elétricos nas ruas por ano, seriam evitadas a emissão de 395.565 toneladas por ano de gases de efeito estufa em 2020. Índice 34 vezes superior ao registrado em 2016 (11.311 toneladas/ano).

Conversamos com Diretor de Engenharia e Qualidade Ambiental da Cetesb, Eduardo Luís Serpa, sobre os índices de qualidade do ar. Ouça a entrevista: