Financiamento ainda é obstáculo para energia solar

(Foto: Freepik)

A falta de linhas de financiamento para viabilizar projetos de energia solar é o principal obstáculo para a expansão do segmento em São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Paraíba, aponta novo estudo do Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV (FGVCes).

Minas tem o menor tempo de retorno para os investimentos, quatro anos, devido ao alto valor da tarifa de energia e ao grau de irradiação solar.

O maior tempo para obter retorno de financiamento é na Paraíba, devido à distância entre os locais de implantação, importação dos equipamentos e escassez de mão-de-obra qualificada.

“Financiamento ainda é o gargalo no Brasil, há produtos, mas a adesão massiva acontecerá no momento em que as alternativas garantirem que o pagamento cabe na economia que os sistemas podem proporcionar”, comentou Rodrigo Marcolino, sócio da Axis Renováveis e conselheiro da Absolar.

O estudo também revelou foco em três nichos bem segmentados de mercado, sendo dois destinados à pessoa jurídica. O que diferencia são os valores de cada um.

** Com informações do Canal de Energia