Governo federal anuncia investimentos em bioeconomia até 2023

(Foto: Pixabay)

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, afirmou que a bioeconomia é uma das prioridades do governo federal, durante reunião virtual com integrantes da Frente Parlamentar Mista da Economia na Câmara dos Deputados.

Durante a reunião, o ministro afirmou que as prioridades de 2020 a 2023 são projetos de pesquisa, de desenvolvimento de tecnologias e inovações. Pontes ressaltou que a bioeconomia é ainda mais pertinente por causa da pandemia de Covid-19.

“Acredito piamente que a aplicação de nossa biodiversidade de forma sustentável é uma solução para que possamos ter crescimento vertiginoso em termos de riquezas para o país; mas, para isso, precisamos ter união de todos”, disse Pontes.

Para o gerente global de inovação e desenvolvimento da Braskem, Mateus Lopes, o Brasil já é capaz de produzir biomassa de baixo custo e baixa emissão de carbono, e pode se tornar líder na transição da bioeconomia.

Segundo o presidente-executivo da Associação Brasileira de Bioinovação (ABBI), Thiago Falda, o Brasil tem a maior quantidade de biomassa a baixo preço no mundo e uma agricultura altamente sustentável que permite a geração de biomassa.

Lopes afirmou que os países já estão mapeando suas áreas tecnológicas para promover a redução da emissão de carbono. No Brasil, o orçamento de carbono é de 2.900 gigatons de CO2, enquanto o país gasta 2.200.

“Isso é o que o mundo inteiro está trabalhando com orçamento e que cada país agora está começando a medir o quanto está emitindo em cada indústria, em cada setor, para garantir que a gente vai conseguir chegar e cumprir esse desafio global de conter as mudanças climáticas”, disse o executivo.