Empresa brasileira e startup fecham acordo para criar baterias de nióbio

veículo elétrico
(Foto: Pixabay)

A Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) fechou uma parceria com a startup 2DM, de Singapura, para a produção de baterias elétricas de nióbio. A nova geração de baterias poderá ser usada em veículos elétricos, eletroeletrônicos e, inclusive, no setor de construção e infraestrutura.

A expectativa é criar uma bateria que une grafeno, considerado o material mais condutivo e rígido do mundo, com o nióbio. A ideia é fazer uma união similar ao do aço e ferro, por exemplo, para criar materiais ainda mais resistentes, leves e até mesmo elásticos.

Para se ter uma ideia, cada tonelada de aço é equivalente a 100 gramas de nióbio – quantidade necessária para ampliar a força de ligação de seus átomos e, por consequência, aumentar a resistência térmica e mecânica, e a capacidade de absorver cargas sem se romper.

Segundo a CBMM, o grafeno tem um potencial versátil e suas competências como aditivo industrial para melhorar propriedades de estruturas têm se destacado entre os materiais avançados. As pesquisas que estão sendo desenvolvidas devem dar um resultado mais significativo em 2 anos.

** Com informações da Época Negócios