Veículos híbridos e elétricos ganham espaço no Salão de Frankfurt

ID.3: o primeiro carro totalmente elétrico da Volkswagen (Foto: Divulgação)

Os carros elétricos e híbridos se tornaram uma tentativa da indústria automobilística de se renovar no Salão de Frankfurt, que acontece até 22 de setembro na Alemanha.

A Volkswagen levou o ID.3, o primeiro carro totalmente elétrico. Com a promessa de ser um “elétrico popular”, o automóvel tem as baterias sob o assoalho e é baseado na baseado na plataforma MEB

O modelo tem três opções diferentes de baterias: 77 kWh, 58 kWh ou 45 kWh, e a autonomia pode variar entre 330, 420 e 550 quilômetros. A recarga poderá ser feita em 30 minutos para rodar, aproximadamente, 290 quilômetros.

Segundo Marco Pavone, chefe de design exterior da marca, o ID.3 foi pensado para ser um carro com as proporções externas de um Golf com o espaço de um Passat por dentro.

A Volks e a empresa alemã eClassics apresentaram a nova versão do Fusca, também chamado de eKafer. O modelo tem uma carroceria conversível e bateria de 36,8 kWh, que garante uma autonomia de superior a 200 quilômetros. A bateria leva apenas uma hora para recarregar o suficiente para rodar até 150 km.

A eClassics afirmou que fez modificações na estrutura do Fusca para aguentar o peso extra das baterias. A versão mais barata do carro custará cerca de R$178,7 mil.

A Lamborghini apresentou seu primeiro carro híbrido: o Sián. Com 830 cavalos de potência, o automóvel será o mais potente produzido pela montadora italiana.

Esta ainda não é a versão definitiva do Sián. Apenas 63 unidades serão produzidas, número que replica o do ano de fundação da Lamborghini.

A Mercedes-Benz lançou o GLB, o primeiro modelo SUV que pode levar até sete passageiros. 

O carro deve chegar ao Brasil no segundo semestre de 2020, equipado com um motor 2.0 e 310 cavalos de potência.

A montadora também anunciou que pretende zerar a emissão de dióxido de carbono (CO2) na produção de veículos até 2022 na Europa, que os elétricos representem metade das suas vendas globais até 2030, e ter uma frota totalmente neutra em emissões de CO2 até 2039.

** Com informações da France Presse e do Auto Esporte