Banca latinoamericana financiará produção orgânica no Brasil

orgânicos
(Foto: Pixabay)

A Banca Ética Latinoamérica anunciou que, em breve, o Banco Ético Latinoamericano será lançado no Brasil. Reconhecida pela implementação de critérios rigorosos e exigentes, que permitem a transformação positiva da economia, para impactar positivamente a sociedade.

A banca comunicou que financiará projetos para criar uma nova economia baseada no desenvolvimento sustentável e que tragam valor para a sociedade. Nos primeiros 12 meses, a Banca Ética deve investir no Brasil cerca de US$ 10 milhões em projetos piloto. A estimativa é de que, em 14 anos, a Banca movimente mais de US$ 131 bilhões no mercado brasileiro.

“Os bancos respiram dinheiro. O dinheiro é poder. Então por que não usar esse poder de maneira positiva para ajudar as empresas que tragam valor para o mundo? Nas últimas décadas, a economia só tem falado de preços e benefícios e não de criar valor”, disse Joan Melé, presidente da Fundación Dinero y Conciencia.

“Hoje o problema mais grave da economia, na minha opinião, é que todos os dias, 99% das transações econômicas mundiais são especulações. Por trás disso não há nada, não há economia real. Não se produz nada, enquanto há milhares de projetos bons para a sociedade que nunca conseguem financiamento”, complementou.

De acordo com Melé, o banco financiará projetos em três âmbitos: individual (cultura/ educação), social (empresas que apoiam o desenvolvimento social) e meio ambiente (projetos que melhoram a relação com o solo, os animais e com os recursos renováveis e não renováveis).

A contribuição e os incentivos fiscais também serão disponibilizados para produtores orgânicos, biodinâmicos e agroecológicos, os que desejam fazer a transição para uma agricultura mais sustentável.

O presidente da Câmara Temática Nacional de Agricultura Orgânica, Luiz Demattê, afirma que o produtor que deseja investir no setor precisa enfrentar desafios, que incluem a falta de financiamento e de políticas públicas, e a dificuldade de acesso a recursos que auxiliam a fazer a transição da agricultura convencional para a orgânica.

“É muito difícil para um produtor orgânico e de quem tem a intenção de ser orgânico se converter para a produção orgânica. Nesse período de um ano, às vezes dois anos ou até mais, as regularizações que têm que fazer na propriedade custam recursos, que na maioria das vezes, um produtor rural não tem. Portanto, criar mecanismos para que esses produtores passem a acessar e se estabelecer como orgânicos é algo extremamente importante”, disse.

Outra estratégia importante para a expansão do setor é consolidar o Cadastro Nacional do Produtor Orgânico, que ainda possui muitos problemas estatísticos e metodológicos na base de dados.

“Se nós trabalhássemos isso, teríamos a possibilidade de termos um desenvolvimento muito mais significativo da produção orgânica no país”, afirma o presidente da Câmara.

Demattê ressaltou que o setor de orgânicos cresce exponencialmente no Brasil. Cerca de 19% dos brasileiros consomem, pelo menos, algum produto orgânico por mês em 2019, de acordo com uma pesquisa da ORGANIS.

Entre 2016 e 2019, houve um aumento de 50% no número de unidades produtivas de orgânicos no país e 22 mil propriedades estão cadastradas no Ministério da Agricultura (Mapa). Em 2012, havia cerca de 5,9 mil produtores registrados e em março de 2019, estavam registrados 17,7 mil produtores, um crescimento de 200%.

A expectativa da Banca Ética é que o banco transcenda a fronteira geográfica dos países para unir os povos e transformar a América Latina. Para o diretor-executivo de La Fundación Dinero y Conciencia, Sebástian Cantuarias, é necessário criar novas abordagens para ☐enfrentar os desafios estruturais que temos como latino-americanos.

O primeiro passo é parar de ver a América Latina como uma parte pobre do continente americano, quando os países têm a maior riqueza em biodiversidade e têm as três maiores reservas de água doce do mundo. E combater a desigualdade que afetam os países latinos. Hoje, mais de 80 milhões de água não têm acesso a água potável.

Banca Ética no Brasil

A Banca Ética chegou ao Brasil em novembro de 2019. Hoje, atua com mais de 20 voluntários no país em diferentes frentes: ativos (relação com os projetos a serem investidos e os empreendedores), passivos (relação com os investidores e a estruturação dos investimentos financeiros adequados), identidade (como criar um banco ético na América Latina), comunicação.

De acordo com Iranise Pedro, a banca começará o seu trabalho em São Paulo e depois será expandido para outras regiões brasileiras.

Os interessados em investir na banca ética, devem apresentar projetos de impacto que precisam de financiamento ou queira ser voluntário devem enviar um email para brasil@dineroyconciencia.org ou acessar pelo site www.bancaetica.lat