Consumo de orgânicos é traço de uma pessoa ambientalmente responsável

(Foto: Pixabay)

Para 34% dos brasileiros, consumir produtos naturais e/ou orgânicos é um comportamento de uma pessoa que respeita o meio ambiente. A conclusão faz parte do estudo Tetra Pak Index: a convergência entre saúde e meio ambiente, elaborado pela Ipsos a pedido da Tetra Pak.

A pesquisa analisou o comportamento de consumidores de nove países: Brasil, China, Índia, Indonésia, Arábia Saudita, Coreia do Sul, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

No Brasil, os entrevistados associam o “orgânico” mais com o meio ambiente do que com à saúde. Os consumidores, que consideram a saúde um fator importante na hora de comprar, escolhem produtos orgânicos por associá-los a saúde, evitar doenças e melhorar o seu desempenho/sentir-se forte.

Outros comportamentos apontados como traços de uma pessoa respeitosa com o ambiente são: preocupação com reciclagem (62%), evita plásticos (52%), usa menos carros (44%), compra produtos com pouca ou nenhuma embalagem (42%), reduz o desperdício de alimentos e bebidas (35%) e reduz o consumo geral (29%).

Dois terços (⅔) dos consumidores acredita que o planeta caminha para um desequilíbrio ambiental, se o modelo atual de consumo for mantido. Destes, 61% dizem que saúde e bem-estar são aspectos fortemente afetados por questões ambientais. Em outros países, este índice é de três em cada cinco consumidores.

Em relação às cinco descrições mais atraentes para alimentos e bebidas, 54% dos brasileiros valorizam a presença de ingredientes naturais; 40% valoriza a possibilidade da embalagem ser reciclável e 37% de reutilizá-la ou ter refil; 36% destacaram a presença de ingredientes orgânicos e outros 36% ressaltaram a ausência de aditivos como um aspecto que deve ser valorizado.

Comportamento do consumidor

O levantamento identificou seis novos perfis de consumidores:

  • Embaixadores ativos: altamente engajados com todos os aspectos relacionados a saúde e meio ambiente e dispostos a tomar ações, ultrapassar barreiras e influenciar outras pessoas (são 12% dos consumidores brasileiros).
  • Amigos do planeta: desejam tomar atitudes ambientalmente responsáveis e são altamente engajados com questões relacionadas à saúde, apesar de menos inclinados a ultrapassar barreiras (20% dos consumidores brasileiros).
  • Conscientes sobre saúde: estão cientes e se engajam com questões ambientais, mas têm a saúde como maior prioridade. Estão dispostos a pagar mais e abrir mão da conveniência para terem acesso a produtos com apelo saudável (7% dos consumidores brasileiros).
  • Seguidores: têm compreensão sobre problemas ambientais e de saúde e podem se culpar por ambos, mas não estão inclinados a mudar o seu comportamento ou tentar coisas novas (28% dos consumidores brasileiros).
  • Retardatários: têm pouco conhecimento ou interesse por questões relacionadas à saúde e meio ambiente. Também são céticos em relação à tecnologia e mudanças (20% dos consumidores brasileiros).
  • Céticos: estão cientes sobre problemas ambientais, mas tendem a negá-los por categorizá-los como fake news. Mantêm uma visão tradicional e dissociada a respeito de saúde e meio ambiente (são 13% dos consumidores brasileiros).

De acordo com a pesquisa, uma pessoa “consciente sobre saúde” e outra “amiga do planeta” têm em comum a prática de exercícios físicos, como mindfulness e ioga, consomem menos laticínios e carne, passam muito tempo ao ar livre, reduzem o consumo em geral, e evitam comidas com muito açúcar e gorduras.